Folha Oeste




Afiado, Biden golpeia Trump no último e equilibrado debate presidencial antes das eleições

23/10/2020

Republicano evita a estridência do primeiro encontro e trata de estender sobre Biden a sombra da corrupção. Um afiado Joe Biden com réplicas bem preparadas partiu para o ataque a Donald Trump no último debate presidencial antes das eleições de 3 de novembro. O candidato democrata aproveitou a discussão sobre a pandemia para atingir o presidente, impecável na forma e implacável no conteúdo, e saltou para a jugular do republicano quando a jornada caiu na lama das acusações de corrupção. Trump, mais contido que de costume, defendeu-se sem gritaria dos golpes do candidato democrata, o que melhorou a imagem do republicano após o caos do primeiro embate, mas também deixou claro que, sem todo o barulho, ele perde parte de sua aura. Trump e Biden se encontraram em Nashville (Tennessee) 12 dias antes do Dia D para lutar pelos últimos votos indecisos, para incitar os apoiadores que não têm certeza se vão às urnas ou desmobilizar seus adversários. Ao contrário do primeiro debate, desta vez o democrata não deixou o republicano escapar da maior crise que atinge o país, a pandemia que já custou cerca de 223.000 vidas nos Estados Unidos. “Este é o mesmo cara que disse que isso terminaria na Páscoa, mas estamos entrando em um inverno sombrio e ele não tem um plano”, disse ele. O presidente respondeu que o vírus era de responsabilidade da China, país onde começou o surto, e expôs seu próprio contágio ao insistir em minimizar a gravidade da crise de saúde, insistindo que “99% da população se recupera”. “Ele diz que as pessoas estão aprendendo a viver com a pandemia. Não, as pessoas estão aprendendo a morrer com ela, vocês têm uma cadeira vazia na cozinha”, respondeu Biden, em referência às mortes que afetam as famílias, O vencedor ou perdedor de um debate eleitoral é decidido com base nas expectativas. Na verdade, os candidatos competem contra si mesmos. Biden, de 77 anos, não é um bom polemista ou um grande orador, mas nesta quinta-feira ele deu alguns bons golpes em Trump, falou com mais pose do que no primeiro encontro e não cometeu grandes erros. O republicano, 74, uma criatura televisiva, passou de menos a mais ao longo da noite, especialmente quando começou a rotular Biden, depreciativamente, como um “político” de frases feitas e se posicionou como um homem fora das regras de Washington, que fala com eles com crua franqueza, o aspecto mais valorizado por seus seguidores. No entanto, quando começou a atacar seu rival pelos negócios de seu filho, Hunter Biden, na Ucrânia, o que prometia ser o capítulo mais turbulento da noite, Trump não conseguiu desestabilizar Biden. O filho do democrata foi contratado por uma empresa de gás ucraniana, a Burisma, com um salário de ouro na época em que seu pai era vice-presidente no Governo Obama. A contratação despertou suspeitas e críticas, mas nem a Justiça ucraniana nem uma investigação dos republicanos no Congresso jamais encontraram evidências de qualquer crime. No entanto, Trump encontrou uma veia para tentar associar Biden à corrupção, assim como fez em 2016 com Hillary Clinton, a quem ele sempre chamou de “Hillary, a corrupta”. Sem especificar, Trump acusou Biden de receber dinheiro da China, da Rússia e da Ucrânia. “O filho dele não teve emprego na vida e, quando ele é vice-presidente, o contratam”, criticou. Biden então pulou no pescoço do presidente. “Não recebi um centavo de nenhuma fonte estrangeira em toda a minha vida”, disse ele, acrescentando: “Você é que tinha uma conta bancária na China [dados publicados há poucos dias pelo The New York Times]. “Em segundo lugar, eu fiz todas as minhas declarações de imposto de renda em 22 anos e você não entregou nenhuma. O que você está escondendo? A Rússia paga muito a você, a China também paga muito a seus negócios.” Apesar da troca de acusações, foi um debate completamente diferente do primeiro, tão tosco que obrigou o seguinte a mudar as regras. Desta vez, em cada bloco temático os candidatos puderam fazer sua apresentação inicial, com duração de dois minutos, sem interrupção, pois os organizadores desligaram o microfone do oponente. Depois, nas perguntas e respostas, houve uma discussão ordeira, para a qual o vice-presidente da era Obama pareceu estar mais preparado. Fonte: El País

Venezuela vive falsa normalida...

Governo de Maduro encerra uma campanha marcada pelo desinteresse, enquanto a oposição e várias instâncias internacio...

02/12/2020 - destaque

Uma vacina contra o HIV chega ...

Ensaios clínicos que começam agora vão durar pelo menos 24 meses. Protótipo usa o mesmo mecanismo que a Janssen util...

02/12/2020 - destaque

Putin ordena que Rússia inici...

MOSCOU (Reuters) - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou nesta quarta-feira que as autoridades russas iniciem...

02/12/2020 - destaque

Biden confia o comando da recu...

A diversidade, a experiência e o foco no emprego caracterizam os escolhidos pelo presidente eleito dos EUA para pilotar...

30/11/2020 - destaque

Biden segue com transição; T...

WILMINGTON, Estados Unidos (Reuters) - O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, deve anunciar seus escolhidos ...

30/11/2020 - destaque

"Adios Diego": Maradona é ent...

BUENOS AIRES (Reuters) - O argentino Diego Maradona, um dos maiores jogadores de futebol da história, foi sepultado nes...

26/11/2020 - destaque

Biden promete anunciar em deze...

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeu nesta terça-feira (24) que anunciará em dezembro suas esco...

26/11/2020 - destaque

Biden vai nomear a 1ª mulher ...

Equipe de transição anunciou outros nomes do 1º escalão em política externa e segurança nacional, incluindo John K...

23/11/2020 - destaque

Derrota de Trump abala o popul...

Os Governos e partidos da Europa e da América Latina que recebem com frustração o afastamento de sua grande referênc...

23/11/2020 - destaque

Mundo bate recorde de mortes d...

Um levantamento feito pela Universidade Johns Hopkins mostra que o mundo voltou a bater recorde diário de mortes por Co...

19/11/2020 - destaque

Biden diz que contestação de...

(Reuters) - O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta quinta-feira que a contestação do president...

19/11/2020 - destaque

China e outros 14 países da ...

Tratado RCEP, que englobará 30% do PIB e da população mundial, representa um impulso econômico e político para Pequ...

16/11/2020 - destaque

Biden pede que Congresso dos E...

WILMINGTON, Delaware (Reuters) - O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu nesta segunda-feira que o Cong...

16/11/2020 - destaque

Sputnik V: o que se sabe sobre...

A Rússia informou que a vacina contra a covid-19 Sputnik V tem uma eficácia de 92%, segundo dados preliminares da terc...

12/11/2020 - destaque

Evo Morales recebe um banho de...

Ex-presidente boliviano retorna ao seu reduto um ano depois de sua renúncia e posterior exílio na Argentina. Helbert ...

12/11/2020 - destaque

Republicanos pedem que Trump a...

WASHINGTON/WILMINGTON, Delaware (Reuters) - Mais membros do Partido Republicano se distanciaram da recusa do presidente ...

12/11/2020 - destaque

Pfizer afirma que sua vacina c...

Das 214 vacinas experimentais, 10 estão em fase final e a OMS acredita que as populações de risco de alguns países q...

09/11/2020 - destaque

Vacina Sputnik V da Rússia ta...

MOSCOU (Reuters) - A vacina Sputnik V contra Covid-19 da Rússia é mais de 90% eficaz, disse um representante do Minist...

09/11/2020 - destaque

Líderes mundiais parabenizam ...

(Reuters) - Diversos líderes mundiais cumprimentaram o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, e a vice-presid...

07/11/2020 - destaque

Joe Biden derrota Trump e se e...

Democrata é eleito 46º presidente dos Estados Unidos em meio a um tenso escrutínio eleitoral. Kamala Harris faz hist...

07/11/2020 - destaque

>

Av. Cesar Abraão, 157 | Osasco - 3682-5820 | jornalfolhaoeste@gmail.com