Folha Oeste
testA OTAN promete à Finlândia uma adesão “suave e rápida” e oferece proteção desde o pedido f




A OTAN promete à Finlândia uma adesão “suave e rápida” e oferece proteção desde o pedido f

12/05/2022
Compartilhar

O secretário-geral da Aliança Atlântica mostra seu entusiasmo pelo iminente pedido de adesão do país nórdico. A NATO aguarda a Finlândia de portas abertas e confia que o seu processo de adesão será muito rápido. A reação do secretário-geral da Aliança, Jens Stoltenberg, assim que foi conhecida a declaração da primeira-ministra finlandesa, Sanna Marin, e do presidente do país, Sauli Niinistö, a favor da adesão à organização militar, foi clara: “Congratulo-me com a declaração conjunta.” E, além disso, acrescentou que o país nórdico, que partilha mais de 1.300 quilómetros de fronteira com a Rússia, será recebido "calorosamente na NATO e o seu processo de acesso será suave e rápido". O anúncio de Marin e Niinistö não foi uma surpresa. A opinião pública finlandesa, tradicionalmente relutante em aderir à OTAN e deixar sua posição tradicional de neutralidade, mudou diante da invasão da Ucrânia pela Rússia. A ameaça do grande vizinho do Leste impulsionou essa virada. E os líderes políticos do país também seguiram o exemplo. Suas declarações nos últimos meses deixaram claro que eles estavam dispostos a dar o passo. E, finalmente, a OTAN os acompanhou e encorajou nessa mudança. A prova do encorajamento da NATO a este movimento nas actuais alianças geopolíticas - impulsionadas pela guerra - não pára na "acolhida calorosa" declarada esta quinta-feira por Stoltenberg. Semanas atrás, ele destacou que a organização que coordena está disposta a estudar mecanismos de proteção para a Suécia e a Finlândia, se finalmente derem o passo de solicitar a adesão, pelo tempo entre o pedido e a entrada, quando já estariam sob o guarda-chuva do famoso artigo 5º do Tratado do Atlântico Norte, o documento fundador que naquele momento assegura que uma agressão contra um dos membros da OTAN implica a reação de todos para defendê-lo. “ Tenho certeza de que encontraremos uma maneira de resolver as preocupaçõesque possam ter em relação ao período entre o eventual pedido e a ratificação final”, sublinhou o norueguês, cujo mandato será prorrogado por um ano em Junho. Alguns dos movimentos e viagens de líderes ocidentais nos últimos dias também são interpretados nesse sentido. Por exemplo, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson visitou Estocolmo e Helsinque esta semana e, em ambos os casos, assinou acordos de assistência mútua em caso de guerra ou catástrofe militar. A declaração de Johnson na Finlândia ao assinar este pacto claramente vinculou este passo à guerra: "A invasão russa da Ucrânia mudou a equação da segurança europeia". Poucos dias antes, foi o chanceler alemão, Olaf Scholz, depois de se reunir em Berlim com as primeiras-ministras da Suécia, Magdalena Andersson, e da Finlândia, Sanna Marin, que se expressou em termos semelhantes, especialmente sobre seu apoio à entrada de ambos os países da Aliança. Ao final dessa reunião, Marin foi muito clara sobre por que estava disposta a dar esse passo: “O ataque russo mudou completamente o cenário de segurança. Não há retorno." Como Stoltenberg ratificou nesta quinta-feira, o processo de adesão da Suécia e da Finlândia à Aliança pode ser rápido porque muitas das demandas que são exigidas daqueles que solicitam a entrada há muito tempo – como a Geórgia – já as atendem. O próprio secretário-geral da OTAN afirmou anteriormente que ambos os países nórdicos há muito credenciaram seus padrões democráticos e o estado de direito, um dos requisitos. No campo militar, as Forças Armadas da Finlândia, por exemplo, têm sua capacidade operacional muito lubrificada com a dos membros da Aliança. Suas tropas participam regularmente de manobras militares e as armas à sua disposição são compatíveis com as utilizadas na organização. "Eles podem facilmente se integrar à organização se decidirem dar o passo", disse o principal líder da Otan antes do comunicado de quinta-feira. E a tudo isto devemos acrescentar que mesmo antes do início da guerra, nas múltiplas reuniões dos aliados em Bruxelas, a participação de funcionários suecos e finlandeses (Ministros da Defesa e Negócios Estrangeiros e Primeiros-Ministros) foi uma constante ininterrupta que tem levou Stoltenberg a declarar com força: "Não há países mais próximos da coalizão". Fonte: El País

O novo avanço da esquerda na ...

Um após o outro, diferentes países latino-americanos elegeram governos de esquerda e uma nova onda política parece es...

14/07/2022 - destaque

Turquia liberta navio russo co...

A queixa de Kiev obrigou as autoridades turcas a reter um navio de Berdyansk, em território ucraniano ocupado pela Rús...

07/07/2022 - destaque

Diplomatas russos e americanos...

Embaixador dos EUA afirmou que guerra na Ucrânia é a "maior ameaça à ordem mundial". A guerra na Ucrânia é a “m...

04/07/2022 - destaque

Exclusivo: As chances de um ac...

As chances de reviver o acordo nuclear de 2015 com o Irã são piores após conversas indiretas entre EUA e Irã em Doh...

30/06/2022 - destaque

O G-7 explora limitar o preço...

Os Estados Unidos anunciam o envio de defesa antiaérea de longo alcance para Kyiv. A inquietante evolução da guerra ...

27/06/2022 - destaque

Israel convoca sessão para di...

Uma votação será realizada no parlamento na próxima semana, após a qual Yair Lapid assumirá o cargo de primeiro-mi...

20/06/2022 - destaque

Coreia do Norte relata primeir...

Pelo menos uma pessoa confirmada com COVID-19 morreu na Coreia do Norte e centenas de milhares apresentaram sintomas de...

12/05/2022 - destaque

A OTAN promete à Finlândia u...

O secretário-geral da Aliança Atlântica mostra seu entusiasmo pelo iminente pedido de adesão do país nórdico. A N...

12/05/2022 - destaque

Saratoga Hotel de Cuba: Bombei...

Os bombeiros estão vasculhando os escombros do Saratoga Hotel, na capital cubana, Havana, depois que uma enorme explos...

09/05/2022 - destaque

Macron propõe uma confederaç...

A nova Comunidade Política Europeia articularia a cooperação em segurança e energia. Chanceler Scholz chama a ideia ...

09/05/2022 - destaque

Ministro do Petróleo iraniano...

Líder venezuelano diz que conversas visam aprofundar "laços de fraternidade e cooperação em questões energéticas"...

05/05/2022 - destaque

Rússia intensifica ataques à...

Kiev denuncia que Moscou tenta eliminar os soldados "com o apoio de aviões" e violou um cessar-fogo para a evacuação ...

05/05/2022 - destaque

Rússia ataca siderúrgica de ...

Os ataques foram retomados nas siderúrgicas de Mariupol, apesar de centenas de civis permanecerem presos no interior, d...

02/05/2022 - destaque

Raúl Castro reaparece em um e...

A última aparição pública do ex-presidente de Cuba foi após os protestos de 11 de julho, em um "ato de reafirmaçã...

02/05/2022 - destaque

Secretário-geral da ONU está...

António Guterres deve ter reuniões com presidentes russo, Vladimir Putin, e ucraniano, Volodymyr Zelensky. O secretá...

25/04/2022 - destaque

Os Estados Unidos recuperam su...

Secretários de Estado e Defesa dos EUA encontram Zelensky em uma viagem rápida a Kiev. Washington garante que "apoiar...

25/04/2022 - destaque

Análise: Castillo do Peru end...

O presidente esquerdista do Peru, Pedro Castillo, sinalizou uma postura mais dura nos protestos contra as mineradoras qu...

21/04/2022 - destaque

Rússia proíbe entrada de vic...

Medida se estende para outros norte-americanos, como o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, a vice-secretária de Defe...

21/04/2022 - destaque

Kremlin: adesão de Finlândia...

"Aliança continua sendo uma ferramenta voltada para o confronto e sua expansão não trará estabilidade ao continente ...

18/04/2022 - destaque

Os truques de Kiev e Moscou pa...

Dois vídeos mostram detidos de ambos os lados pedindo aos governos que concordem com uma troca. Nas mãos de um lado da...

18/04/2022 - destaque

>

Av. Cesar Abraão, 157 | Osasco - 3682-5820 | jornalfolhaoeste@gmail.com