Folha Oeste




Argentina se torna oásis do direito ao aborto na América Latina

31/12/2020

Em uma das regiões mais restritivas quanto aos direitos reprodutivos, quem decide interromper sua gravidez pode pagar com pena de prisão ou com a própria vida. Nesta quarta-feira, 30 de dezembro, a América Latina desperta inspirada por uma nova onda verde. Desta vez sim, o Senado argentino aprovou um projeto que permite o acesso livre e legal ao aborto até 14ª semana de gestação, dois anos depois de rejeitar uma proposta similar. Alguns legisladores mudaram de opinião após meses de debate público, impulsionado pelas jovens, que fizeram que o aborto deixasse de ser um tabu e avançasse para a despenalização social. Com esta votação, a Argentina se soma a um pequeno grupo de países latino-americanos onde as mulheres têm o direito de decidir quando e como serem mães, algo até agora reservado às que vivem em Cuba, Uruguai, Guiana e Guiana Francesa, mais o Estado mexicano de Oaxaca e a Cidade do México. Para os coletivos feministas, nesta quarta-feira a América Latina como um todo ficou um pouco mais perto de ser um lugar onde a interrupção segura da gestação deixará de ser um privilégio reservado a quem tem recursos. O caso argentino, no entanto, ainda representa um oásis no acesso ao aborto nesta região do mundo, onde cinco países o proíbem sem exceções (El Salvador, Honduras, Nicarágua, República Dominicana e Haiti). O debate também tem outras caras, como as de dezenas de salvadorenhas condenadas a até 30 anos de prisão por abortos espontâneos, ou hondurenhas que recorrem a uma linha telefônica clandestina que ajuda as mulheres a interromperem suas gestações de maneira segura, ainda que sob o risco de prisão. Também são histórias como a de Esperancita, uma adolescente de 16 anos que morreu em 2012 na República Dominicana após ser diagnosticada com leucemia no início de uma gravidez, mas que teve a quimioterapia adiada para não prejudicar o feto. Neste ano, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) aceitou analisar o caso da jovem à qual foi negado o aborto terapêutico. “A Argentina é uma esperança para toda a América Latina”, diz, de El Salvador, a presidenta do Agrupamento Cidadão pela Despenalização do Aborto, Morena Herrera, que acompanhou durante toda a noite o debate no Senado argentino conectando-se pelo WhatsApp com ativistas de outros países da região. “É um processo que move as possibilidades na América Latina. Acho muito importante pelos argumentos, pela fundamentação, porque na Argentina se mostrou que toda a problemática da clandestinidade e ilegalidade do aborto é um problema de saúde que deve ser tratado como tal, e que provoca maiores desigualdades porque afeta muito mais às mulheres que vivem em situação de vulnerabilidade, que são a maioria em nossos países.” Segundo a Organização Mundial da Saúde, só um em cada quatro abortos feitos na América Latina ocorrem de maneira segura, e é cada vez mais comum que as mulheres interrompam suas gestações recorrendo a métodos clandestinos ou a remédios como o misopostrol (tradicionalmente usado para tratar úlceras gástricas), adquiridos fora dos sistemas formais de saúde. Além disso, a ONG Instituto Guttmacher estimou que em 2017 mais de 97% das mulheres da região em idade reprodutiva viviam em países com leis restritivas, o que não impediu que fossem registrados 6,5 milhões de abortos por ano entre 2010 e 2014. Por isso, a ativista salvadorenha espera que os debates na Argentina possam ser retomados em países como o seu, onde, diz, não só o aborto é penalizado como também há perseguição a mulheres que perdem involuntariamente suas gestações, especialmente aquelas que vivem em situações de pobreza. “Estou esperançosa de que se abra a possibilidade de refletir além de se quero ou não quero o aborto. É um problema mais profundo”, observa. Além do risco de prisão, as mulheres que decidem interromper a gravidez nos países onde isso é completamente proibido muitas vezes põem sua própria saúde em risco, uma tendência identificada pela ginecologista dominicana Lilliam Foundeur, ativista dos direitos femininos. “Na República Dominicana, como em todos os países do mundo, a mulheres que querem interromper sua gravidez a interrompem, mesmo pondo sua vida em risco”, diz. E lamenta que, após 25 anos de campanha no país pela legalização do aborto em três situações (risco de vida para a mãe, inviabilidade do feto, ou gravidez resultante de estupro ou incesto), o Congresso ainda não aprovou algo que leva o país a ter taxas “inaceitáveis” de mortalidade materna. Entre os países que legalizaram o aborto e os mais restritivos há uma ampla gama de situações em que as mulheres podem ou não decidir sobre seus corpos. A Bolívia e a Colômbia, por exemplo, permitem o aborto se não for assegurada a viabilidade do feto, em casos de estupro e incesto, ou se houver risco à vida ou à saúde física e mental da mulher. Em outros países, como o Chile, onde o aborto foi despenalizado há apenas três anos, essa possibilidade é oferecida às mulheres cuja vida estiver em risco ou que demonstrem a inviabilidade do feto, enquanto que na Guatemala, no Paraguai e na Venezuela a mulher só pode abortar se ficar provado que sua própria vida corre perigo, o que na prática representa uma proibição quase total. A lei venezuelana é a mais restritiva de todas, ao permitir o aborto apenas em caso de risco para “a parturiente”, sem uma norma ou um protocolo de atuação para isso. A definição de “parturiente” ― e não de mulher ― desloca o assunto para o momento de dar à luz. O Código Penal venezuelano tem considerações muito mais arcaicas e estabelece reduções de penas (de dois anos para seis meses para as mulheres que abortam, e de três anos para um no caso de quem as auxilia) “caso o autor do aborto o tenha cometido por salvar sua própria honra ou a honra de sua esposa, de sua mãe, de sua descendente, de sua irmã ou de sua filha adotiva”. Isso se conhece como aborto honoris causa no jargão jurídico. Fonte: El País

Biden lança pacote de 1,9 tri...

Presidente eleito dos EUA promete cheques de 1.400 dólares para trabalhadores e suas famílias. O presidente eleito do...

18/01/2021 - destaque

Atraso do impeachment visa mud...

O Senado dos Estados Unidos definiu que o pedido de impeachment de Donald Trump será julgado após o final de seu manda...

14/01/2021 - destaque

China rouba marcha sobre o Oci...

ISTAMBUL / LONDRES (Reuters) - A China está roubando uma marcha sobre os farmacêuticos ocidentais na corrida da vacina...

14/01/2021 - destaque

Pentágono investiga novas ame...

Na Câmara, democratas insistem em impeachment de Trump e insistem que o vice, Mike Pence, responda se irá evocar a 25...

11/01/2021 - destaque

Cumulativamente, quase 375.000...

(Reuters) - Os Estados Unidos perderam mais de 22.000 vidas para o COVID-19 na semana passada, estabelecendo um recorde ...

11/01/2021 - destaque

Crise na Venezuela: o que acon...

A oposição na Venezuela perdeu seu maior trunfo na terça-feira (05/01): a Assembleia Nacional. O chavismo assumiu o c...

07/01/2021 - destaque

Congresso dos EUA certifica vi...

WASHINGTON (Reuters) - Horas depois de centenas de apoiadores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, invadirem ...

07/01/2021 - destaque

Irã retoma enriquecimento a 2...

DUBAI (Reuters) - O Irã retomou o enriquecimento de urânio a 20% em uma instalação nuclear subterrânea, informou o ...

04/01/2021 - destaque

Aposta de Trump para roubar a ...

As novas e surpreendente provas de um presidente Donald Trump desesperado, gravado em uma tentativa de roubar a eleiçã...

04/01/2021 - destaque

Presidente da Bolívia cria im...

O presidente da Bolívia, Luis Arce, promulgou a Lei 1357, que cria um imposto para as 152 pessoas mais ricas do país. ...

01/01/2021 - destaque

Argentina se torna oásis do d...

Em uma das regiões mais restritivas quanto aos direitos reprodutivos, quem decide interromper sua gravidez pode pagar c...

31/12/2020 - destaque

Covid-19 sacudiu economia glob...

(Reuters) - Quando começou 2020, a economia global tinha acabado de atingir seu décimo ano consecutivo de crescimento ...

31/12/2020 - destaque

EXCLUSIVO-Rússia enviou só 1...

MOSCOU (Reuters) - A primeira grande remessa internacional da vacina da Rússia contra o coronavírus “Sputnik V”, 3...

28/12/2020 - destaque

Candidato de Maia à sucessão...

Candidato à presidência da Câmara com o aval de Rodrigo Maia, o deputado Baleia Rossi (MDB-SP) posicionou-se a favor ...

28/12/2020 - destaque

Parlamento russo apoia Moscou ...

O governo russo poderá ganhar poderes para restringir o acesso de sua população às redes sociais de empresas dos Es...

24/12/2020 - destaque

Papa pede ajuda aos pobres em ...

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O papa Francisco celebrou uma Missa do Galo de véspera de Natal nesta quinta-feira mais ...

24/12/2020 - destaque

Joe Biden é vacinado contra a...

A vacinação do presidente eleito foi transmitida ao vivo pela televisão. O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe...

22/12/2020 - destaque

China começa a construir fáb...

A China começou a construir uma instalação para fabricar sua primeira vacina candidata contra a Covid-19 que usa a te...

21/12/2020 - destaque

Covid-19: EUA chegam a acordo ...

Depois de meses de disputa, os parlamentares americanos fecharam um acordo para aprovar um novo pacote de ajuda econômi...

21/12/2020 - destaque

Agência da China endurece dir...

PEQUIM (Reuters) - A agência reguladora dos mercados da China disse nesta segunda-feira que endureceu uma diretriz para...

21/12/2020 - destaque

>

Av. Cesar Abraão, 157 | Osasco - 3682-5820 | jornalfolhaoeste@gmail.com