Folha Oeste
testColômbia volta ser o país mais perigoso para ambientalistas




Colômbia volta ser o país mais perigoso para ambientalistas

13/09/2021
Compartilhar

Sessenta e cinco dos 227 assassinatos de ambientalistas registrados em todo o mundo em 2020 ocorreram no país andino, de acordo com o relatório anual da Global Witness. A Colômbia foi classificada pelo segundo ano consecutivo como o pior país do mundo para ambientalistas. Pelo menos 65 deles foram mortos no país andino durante 2020, um ano marcado pela pandemia de coronavírus. A violência contra os defensores da terra ceifou a vida de 227 pessoas em todo o mundo, contra 212 em 2019. México e Filipinas encabeçam, depois da Colômbia, a lista elaborada a cada ano pela organização ambientalista Global Witness. O país que assinou a paz com os guerrilheiros das FARC há quase cinco anos ainda vive com violência em parte do território. Banhada por dois oceanos, a Colômbia abriga metade dos pântanos do planeta e 30% de seu território é coberto pela floresta amazônica, o que a torna um dos países com maior biodiversidade do mundo. Ambientalistas levantaram suas vozes diante do violento cerco que sofrem e da impunidade dos crimes, que o Governo de Iván Duque não conseguiu conter. “Existe uma ligação entre a violência armada e o modelo de desenvolvimento econômico, que faz da Colômbia o país com os líderes ambientais mais assassinados. Não há possibilidade de acesso à justiça e, quando o fazemos, é lento e ineficaz “, denunciou ao EL PAÍS em fevereiro deste ano a ambientalista Francia Márquez, que lançou sua candidatura à presidência do país nas eleições de 2022. O relatório fala com particular dureza da Colômbia, onde considera que os ataques contra defensores da terra e líderes sociais ocorrem em todo o país e representam “violência endêmica”, apesar do acordo assinado em 2016. O documento atribui a situação a uma “implementação infeliz” de o processo de paz pelo Governo. “Em muitas das áreas mais remotas, paramilitares e criminosos aumentaram seu controle por meio da violência contra as comunidades rurais e da falta de ação do Estado para protegê-las. Aqueles que buscam proteger sua terra e o meio ambiente estão cada vez mais amarrados“, acrescenta. Pelo menos 17 assassinatos ocorreram no âmbito de programas destinados a promover a transição dos agricultores do cultivo da coca para o cultivo legal, incluídos em um dos pontos do acordo de paz. A Global Witness destaca que os povos indígenas colombianos são os mais afetados pela violência, situação que se agravou durante a pandemia. “Os fechamentos oficiais [confinamentos] fizeram com que os defensores da terra fossem atacados em suas casas, e as medidas de proteção do Governo foram cortadas”, disse ele. A Fundação Ideias pela Paz já havia alertado em relatório de abril de 2020 que, além dos desafios impostos pela covid-19, “somam-se os riscos gerados pelas ameaças recebidas por funcionários dos Parques Nacionais da Amazônia por parte de estruturas dissidentes das FARC“. Em meio ao gotejamento de mortes, mais de uma por semana, o Governo de Iván Duque tem procurado se apresentar ao mundo como defensor do meio ambiente. O país foi escolhido em 2020 para sediar o Dia Mundial do Meio Ambiente, evento promovido pelas Nações Unidas que aconteceu virtualmente em setembro do ano passado. O presidente destacou o combate ao desmatamento e garantiu que “a defesa do meio ambiente foi incluída como propósito de segurança nacional”. O Governo designou 22.000 membros das Forças Militares para proteger a terra. No entanto, o desmatamento significou a perda de 171.685 hectares de floresta em 2020, principalmente na Amazônia, 8% a mais do que em 2019, segundo dados oficiais. O México foi em 2020 o segundo pior país do mundo para defensores da terra, com 30 assassinatos. O número representa um crescimento de 67% em relação ao ano anterior. O relatório da Global Witness indica que a exploração madeireira está ligada a quase um terço desses ataques e que metade de todos os crimes no país foram dirigidos contra comunidades indígenas. Além disso, destaca que a impunidade para crimes contra ambientalistas “continua surpreendentemente alta: até 95% dos assassinatos não levam a processo”. A América Latina segue sendo responsável pelo maior número de mortes de ambientalistas no mundo. No Brasil morreram 20 ambientalistas, em Honduras 17, na Guatemala 13, na Nicarágua 12 e no Peru seis. O relatório observa que, no Brasil e no Peru, quase três quartos dos ataques registrados ocorreram na região amazônica de cada país. Fonte: El País

Acordo de submarino nuclear di...

Medida enfureceu França, pois o país perdeu um acordo de longa data para fornecer submarinos movidos a diesel para a A...

20/09/2021 - destaque

Alberto Fernández cede à pre...

Presidente argentino entrega a chefia de Gabinete ao indicado da sua vice e consegue uma trégua na crise política que ...

20/09/2021 - destaque

Chefe do Estado Islâmico no G...

Adnan Abou Walid al Sahraoui foi responsável por ataques mortais contra civis e forças de segurança no Níger, Mali e...

16/09/2021 - destaque

China acusa EUA, Reino Unido e...

Pequim adverte que o acordo, que visa a conter o crescente poderio militar chinês na região do Indo-Pacífico, prejudi...

16/09/2021 - destaque

Defensores ambientais mortos e...

Três quartos dos assassinatos de 2020 ocorreram na América Latina, diz o relatório da Global Witness, com a Colômbia...

13/09/2021 - destaque

Colômbia volta ser o país ma...

Sessenta e cinco dos 227 assassinatos de ambientalistas registrados em todo o mundo em 2020 ocorreram no país andino, d...

13/09/2021 - destaque

Cúpula do BRICS: Afeganistão...

pandemia COVID-19, a segurança e o Afeganistão provavelmente dominarão as conversas na cúpula virtual do BRICS dest...

09/09/2021 - destaque

Aeroporto de Cabul tem primeir...

Voo com cerca de 200 estrangeiros partiu do aeroporto Hamid Karzai, em Cabul, nesta quinta-feira (9); decolagem foi poss...

09/09/2021 - destaque

Seis palestinos escapam da pri...

A polícia israelense lança uma busca depois que seis palestinos conseguiram escapar da prisão de Gilboa durante a noi...

06/09/2021 - destaque

Talibã proclama vitória em P...

É a primeira vez que o vale sucumbe ao controle de uma milícia alheia à região. Os talibãs anunciaram nesta segund...

06/09/2021 - destaque

Oposição venezuelana anuncia...

Os partidos que se opõem a Nicolás Maduro abandonam o boicote eleitoral e reavivam a plataforma que, em 2015, obteve a...

02/09/2021 - destaque

OPEP + deve manter alta de pro...

Os mercados de petróleo vacilaram no início deste mês, com o ressurgimento da pandemia ameaçando a demanda na China ...

30/08/2021 - destaque

Estados Unidos anunciam fim da...

De acordo com o Pentágono, mais de 123 mil pessoas foram resgatadas durante o processo. Os Estados Unidos anunciaram, n...

30/08/2021 - destaque

Crise no Afeganistão: o que ...

O Isis-K, sigla em inglês para Estado Islâmico da Província de Khorasan, é um braço regional do Estado Islâmico (c...

26/08/2021 - destaque

Dezenas de civis, pelo menos 1...

26 de agosto (Reuters) - O Estado Islâmico atingiu os portões lotados do aeroporto de Cabul em um ataque suicida na qu...

26/08/2021 - destaque

Riqueza mineral do Afeganistã...

Ao tomar o poder político no Afeganistão após a partida dos EUA, o grupo radical islâmico Talebã passou a deter tam...

23/08/2021 - destaque

Talibã não estenderá prazo ...

Segundo fontes ouvidas pela agência Reuters, no entanto, nenhum governo ou autoridade ocidental abordou o grupo islâmi...

23/08/2021 - destaque

Terremoto no Haiti: "Estamos a...

O Haiti vive dias desoladores. Depois que um terremoto atingiu a ilha caribenha no último sábado (14/08) — deixando ...

19/08/2021 - destaque

Milhares de afegãos protestam...

Sequência das manifestações em diferentes cidades do Afeganistão registra várias mortes, apesar de algumas concess...

19/08/2021 - destaque

Julho foi o mês mais quente j...

O alerta da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional ocorre no momento em que a ONU soa o alarme sobre a mudan...

16/08/2021 - destaque

>

Av. Cesar Abraão, 157 | Osasco - 3682-5820 | jornalfolhaoeste@gmail.com