Folha Oeste
testOs EUA alertam que a guerra na Ucrânia não distrairá a ameaça chinesa




Os EUA alertam que a guerra na Ucrânia não distrairá a ameaça chinesa

26/05/2022
Compartilhar

Blinken, chefe da diplomacia de Washington, estabelece as linhas gerais da política externa que definirão o relacionamento com Pequim na próxima década. A prioridade imediata na política internacional dos Estados Unidos é, por razões óbvias, a guerra na Ucrânia, mas isso não implica que a administração Joe Biden vá negligenciar o que, em sua opinião, continua a ser o grande desafio militar e de defesa há muito tempo. -termo para estabilidade internacional: China. E para combater esse desafio, Washington planeja aproveitar as alianças feitas nos últimos meses contra a Rússia. Isso foi sublinhado pelo secretário de Estado, Antony Blinken, nesta quinta-feira, em um discurso há muito esperado oferecido em Washington para detalhar os pontos fundamentais da política de seu Departamento sobre o gigante asiático,a maior ameaça geoestratégica ao futuro de um império na encruzilhada. "Mesmo que a guerra do presidente [Vladimir] Putin continue, continuaremos focados no mais sério desafio de longo prazo à ordem internacional: aquele apresentado pela República Popular da China", disse Blinken em uma audiência na Universidade George Washington, em Nova York. a capital americana. “Não estamos procurando um conflito ou uma nova Guerra Fria. Pelo contrário, estamos determinados a evitar ambos os cenários”, concluiu Blinken, acrescentando que a cooperação continuará a ser essencial em questões globais como “covid ou alterações climáticas”. “O clima carece de ideologia; são matemáticas”, acrescentou. A China é o país mais poluente do planeta. Estados Unidos, o segundo. Outros pontos em que Bliken optou pela colaboração entre as potências são: o controle da proliferação de armas de destruição em massa, tráfico de drogas e crises alimentares. Desde que chegou à Casa Branca em fevereiro de 2021, Biden enfatizou repetidamente que a China é o “maior teste geopolítico do século 21”. A guerra na Ucrânia, que esta semana já dura três meses, inevitavelmente desviou a atenção de sua política externa, enquanto Washington foi colocado à frente de uma aliança internacional de assistência militar e estratégica à Ucrânia para deter Putin. Biden embarcou na semana passada em sua primeira viagem à Ásia, de onde retornou na terça-feira, a tempo de reagir ao horrível massacre de 19 crianças (e dois professores) em uma escola primária em Uvalde, Texas. Durante sua viagem, o presidente avançou com a ideia de uma nova estrutura comercial para combater a crescente influência da China na região do Indo-Pacífico. E em sua visita ao Japão, ele irritou Pequim quando respondeu afirmativamente à pergunta de um repórter – aparentemente o pegou desprevenido – sobre se os Estados Unidos interviriam “militarmente” se a China atacasse Taiwan. “A ideia de que [a ilha] pode ser tomada à força não é apropriada”, disse o presidente dos EUA, acrescentando: “Respeitamos a política de uma só China etodos os acordos firmados com ela”. Em seu discurso nesta quinta-feira em Washington, Blinken destacou a aspiração dos Estados Unidos: "Manter e modernizar a atual ordem internacional, que possibilitou grande parte do nosso progresso". Mas também atualizá-lo para "os desafios" presentes e futuros, "muitos dos quais transcendem o que o mundo poderia ter imaginado sete décadas atrás". E para atingir esse objetivo, a principal pedra no caminho dos Estados Unidos é a China. “É o único país que ambiciona reformar a ordem internacional e que tem, cada vez mais, poder económico, diplomático, militar e tecnológico para o fazer. A visão de Pequim nos distanciaria dos valores universais que sustentaram grande parte do progresso mundial nos últimos 75 anos", disse o secretário de Estado, que definiu a relação entre as duas potências como uma das "mais complexas do mundo". hoje.””. Blinken esclareceu que os Estados Unidos não procuram impedir a China de ser a grande potência que já é, "nem impedir que ela, ou qualquer outro país, cresça sua economia ou promova os interesses de seu povo". “Mas vamos defender e fortalecer o direito internacional, acordos, princípios e instituições que mantêm a paz e a segurança, protegem os direitos dos povos e nações soberanas e possibilitam a coexistência de todos os países, incluindo os Estados Unidos e a China. e cooperar”, disse. O secretário de Estado acusou Pequim de "minar as leis, acordos, princípios e instituições que permitiram seu sucesso, para que outros países também possam se beneficiar deles". "Sob a presidência de Xi", ele considera, "o Partido Comunista Chinês no poder tornou-se mais repressivo em casa e mais agressivo no exterior", explicou. Um dos maiores desafios da próxima década será para a diplomacia que Blinken dirige de Washington. “Estamos prontos para aumentar nossa comunicação direta com Pequim em uma ampla gama de questões. Esperamos que isso possa acontecer. Esta década será decisiva. As ações que tomarmos em casa e com os países ao redor do mundo determinarão se nossa visão compartilhada do futuro se tornará realidade”, disse o secretário de Estado dos EUA, que repetiu várias vezes três verbos: “Investir, alinhar e competir”. "Mas mesmo quando estivermos competindo ferozmente", disse ele, "trabalharemos ao lado de Pequim, onde nossos interesses se sobrepõem. Não podemos permitir que as divergências que nos dividem nos impeçam de avançar nas prioridades que exigem que trabalhemos juntos, para o bem de nosso povo e do mundo.” Desde o governo de George Bush Jr., a reorientação da política externa e de defesa dos EUA para a Ásia tem estado na bússola de Washington, embora distrações em outros lugares, como Europa ou Oriente Médio, não tenham facilitado a concentração nessa tarefa. Fonte: El País

Venda de drone dos EUA para a ...

O plano do governo Biden de vender quatro grandes drones armáveis ​​para a Ucrânia foi interrompido devido ao temo...

17/06/2022 - america_do_Norte

Os EUA alertam que a guerra na...

Blinken, chefe da diplomacia de Washington, estabelece as linhas gerais da política externa que definirão o relacionam...

26/05/2022 - america_do_Norte

Biden tenta salvar influência...

O relaxamento das sanções contra Venezuela e Cuba não serve para canalizar os preparativos para a Cúpula das Améric...

23/05/2022 - america_do_Norte

Casa Branca diz que Biden e Xi...

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pode conversar com seu colega chinês Xi Jinping nas próximas semanas, diss...

19/05/2022 - america_do_Norte

Av. Cesar Abraão, 157 | Osasco - 3682-5820 | jornalfolhaoeste@gmail.com