Folha Oeste
testEleições presidenciais no Chile: os pontos cruciais do segundo turno entre José Antonio Kast e Ga




Eleições presidenciais no Chile: os pontos cruciais do segundo turno entre José Antonio Kast e Ga

09/06/2022
Compartilhar

O candidato da extrema direita e o da Frente Ampla de esquerda, que lidera as últimas pesquisas, se enfrentam no próximo domingo numa disputa marcada pela incerteza. O Chile volta às urnas no próximo domingo, 19 de dezembro, depois de uma série de eleições desde outubro de 2020. Nos últimos 15 meses os chilenos tiveram que votar no referendo constitucional, nas eleições para eleger os deputados constituintes, prefeitos, vereadores e governadores, nas primárias presidenciais, no primeiro turno presidencial, em parlamentares, conselheiros regionais e, desta vez, no segundo turno para o Palácio de La Moneda. Mas, embora alguns especialistas tenham alertado para um possível cansaço eleitoral, a corrida presidencial está acalorada. Dentro de poucos dias se enfrentarão, com propostas opostas, Gabriel Boric, de 35 anos, deputado da Frente Ampla em aliança com o Partido Comunista, e José Antonio Kast, de 55 anos, um advogado ultraconservador, da extrema direita do Partido Republicano. Apesar de os dois terem moderado o tom para o segundo turno —porque 46% dos eleitores não votaram neles em 21 de novembro, mas em um dos outros cinco candidatos—, eles representam modelos diametralmente diferentes em conteúdo e forma. Têm, contudo, uma semelhança: ambos surgiram inesperadamente em cada um de seus setores do espectro político e há menos de um ano ninguém imaginava que a sucessão de Sebastian Piñera seria resolvida entre eles. Ambos também têm fortes laços com partidos espanhóis: enquanto Kast tem relações com o VOX, Boric mantém laços históricos com o Podemos. O comparecimento às urnas ainda continua sendo uma incógnita: em um país com altos índices de abstenção, em que o voto não é obrigatório, no primeiro turno apenas 47% dos eleitores foram às urnas. Como Boric e Kast chegam ao segundo turno? O dia 21 de novembro foi uma surpresa para a esquerda. Embora as pesquisas previssem que Boric e Kast avançariam para o segundo turno, o líder do Partido Republicano chegou em primeiro lugar e com dois pontos à frente do deputado da Frente Ampla: 27,9% contra 25,8%, respectivamente, o que não era esperado. Desde 1999 o vencedor do primeiro turno no Chile sempre conquistou a presidência, mas desta vez os analistas indicam que há motivos para pensar em reversão de resultados. Sobretudo porque existe uma fatia imensa de votos —46%— que precisam ser conquistados. As pesquisas indicam que Boric está à frente de Kast por margens variáveis, algumas estreitas e outras mais amplas. Se o deputado vencer no próximo domingo, não será surpresa. Que apoio Kast tem? Kast conseguiu ordenar rapidamente a direita, que mais uma vez mostrou seu pragmatismo. Os partidos da coalizão governista, Chile Vamos, uniram-se a ele, embora Kast não fosse seu candidato no primeiro turno nem tenha disputado as primárias presidenciais realizadas por cada bloco em julho. Tanto a UDI como a Renovação Nacional (RN) —as legendas da direita na transição— expressaram com rapidez seu apoio a Kast, assim como o partido Evópoli, da direita liberal, liderado pelo sobrinho do candidato, o senador Felipe Kast, com quem não mantinha um bom relacionamento político. O candidato, por sua vez, quase não opôs resistências a mudanças em seu programa, exigidas por seus aliados mais moderados. Quem relutou em apoiá-lo foi Sebastian Sichel, o candidato governista à presidência, que ficou em quarto lugar, com 12,7% dos votos. Uma semana depois da eleição, ele surpreendeu Kast com uma petição em troca de seu apoio, em um documento que chamou de Nove Compromissos para o Fortalecimento da Democracia, exigindo questões-chave como “respeito irrestrito pelos direitos humanos”. Logo depois, Sichel disse que apoiava Kast, porque seus termos haviam sido aceitos (embora tenha ficado claro que Kast manteve metas como a proposta de um novo estado de emergência em que o presidente tenha o poder de prender pessoas em suas próprias casas ou em locais que não sejam prisões nem estejam destinados à detenção). Por sua vez, Kast incorporou rostos de mulheres, um eleitorado que tem sido especialmente esquivo com ele, por suas propostas iniciais de tentar fundir o Ministério da Mulher com outras pastas, por exemplo. Nesta segunda parte, incorporou Paula Daza, que liderou a batalha contra a covid-19, na Subsecretaria de Saúde, e uma figura histórica da direita, Evelyn Matthei, atual prefeita do município de Providencia. Que apoio Boric conseguiu? Boric juntou à sua campanha de segundo turno grande parte das legendas que formavam a Concertação, a aliança de centro-esquerda que liderou o país entre 1990 e 2010 (nos Governos de Patricio Aylwin, Eduardo Frei, Ricardo Lagos e no primeiro mandato de Michelle Bachelet) e que hoje está no chão: a candidata Yasna Provoste ficou em quinto lugar, com 11,6% dos votos. Os primeiros a apoiá-lo “sem condições” foram os socialistas, que há meses vinham em um plano de aproximação de Boric (na verdade, buscavam uma primária presidencial conjunta, que foi vetada por parte da esquerda). Será precisamente no Partido Socialista que estará uma das principais fontes de tensão se Boric vencer, como parece provável: farão parte de um eventual Governo, rompendo a aliança histórica com a Democracia Cristã, que anunciou o seu apoio a Boric e também que se manterá na oposição, à margem dos resultados do dia 19? Os democratas-cristãos decidiram em uma reunião institucional dar o seu apoio a Boric “sem condições”, em um debate para o qual o candidato enviou uma carta na qual se aprofunda nas questões que os unem e não nas que os separam, porque foram duas forças antagônicas na última década no Chile. “Eu sei que a arrogância geracional é uma má conselheira, que não há virtude por si só na juventude e na novidade, e sim que um projeto político deve ser julgado por suas convicções e princípios, e por se atuar em conformidade com eles”, afirmou Boric na carta. Sem negociações prévias, um dos principais apoios a Boric neste período foi o de Lagos, uma das figuras que se tornou alvo constante de ataques políticos da Frente Ampla, desde sua irrupção no início dos anos 2010: suas políticas foram tachadas de “neoliberais”. A própria fundação de Michelle Bachelet, atual Alta Comissária da ONU para Direitos Humanos, também se uniu a Boric, embora neste caso o apoio pareça previsível dada a grande sintonia que a ex-presidente sempre teve com a nova geração da esquerda, surgida com o objetivo de substituir a Concertação. Fonte: El País

Macron perde maioria absoluta ...

A candidatura do presidente é a primeira em cadeiras, mas sofre um revés que o obrigará a concordar em governar. A es...

20/06/2022 - america_Latina

Chile inicia busca por 1.162 d...

Quase 50 anos após o golpe contra Salvador Allende, o presidente Boric anuncia um plano para acabar com uma das maiores...

13/06/2022 - america_Latina

Eleições presidenciais no Ch...

O candidato da extrema direita e o da Frente Ampla de esquerda, que lidera as últimas pesquisas, se enfrentam no próxi...

09/06/2022 - america_Latina

Um indigenista brasileiro e um...

Bruno Pereira, que foi ameaçado, e o repórter Dom Phillips foram vistos pela última vez neste domingo no Vale do Yava...

06/06/2022 - america_Latina

Bolsonaro quer alinhar relaç...

Presidente brasileiro confirmou que se reunirá com o colega americano durante a Cúpula das Américas, no início de ju...

26/05/2022 - america_Latina

Conheça os brasileiros que en...

LÍder indígena Sônia Guajajara e pesquisador Tulio de Oliveira integram a prestigiada lista da revista norte-american...

23/05/2022 - america_Latina

Biden suaviza sua política em...

Os Estados Unidos revertem algumas das medidas mais duras de Donald Trump em seu relacionamento com a ilha. O governo d...

16/05/2022 - america_Latina

Av. Cesar Abraão, 157 | Osasco - 3682-5820 | jornalfolhaoeste@gmail.com